Veloce.Net
Português
English
Español
Press releases

Aquisições e leilão do TAV movimentam setor de logística nacional

ADTREM/ ONLINE

Na área de transportes e logística, grandes mudanças à vista. No caso do leilão do Trem de Alta Velocidade (TAV), projeto que é discutido há mais de um ano, a novidade vem por conta do governo federal, que acrescentou mais um episódio na história. Agora, o leilão será decidido pela empresa ou consórcios que oferecerem maior valor de outorga, assim como foi definido no começo deste mês o leilão dos aeroportos paulistas de Viracopos e Guarulhos e o aeroporto internacional de Brasília. No segmento de logística, a informação que chamou a atenção do mercado é a da aquisição da empresa brasileira Veloce Logística, feita pela japonesa Mitsui & Co, que entrará no negócio de distribuição de autopeças no Brasil. A trading adquiriu 100% da empresa brasileira por quase US$ 59 milhões. A Veloce administra transporte de peças, opera centros de distribuição e faz entregas no Brasil e na Argentina para fábricas locais da General Motors e outras grandes montadores. A companhia emprega quase 500 pessoas e gera vendas de 9 bilhões de ienes. A Mitsui, por sua vez, distribui autopeças nos EUA, Europa e Ásia para a Toyota Motor. Ao trazer seus conhecimentos para o Brasil, a japonesa pretende atender à demanda não apenas da GM e da Toyota, mas também da Honda Motors e de outras montadoras do Japão, bem como das europeias Renault e Volkswagen. O Brasil superou a Alemanha em 2010 para se tornar o quarto maior mercado automobilístico do mundo, atrás de China, EUA e Japão. Transnordestina

Outro impacto no segmento de transporte e logística vem com um projeto bastante conhecido do mercado. De acordo com o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, “a presidente Dilma Rousseff quer um ritmo mais forte nas obras para [assegurar] a conclusão em 2014″. De acordo com o ministério, só 874 quilômetros dos 1.728 quilômetros do empreendimento estão sendo realmente executados pela Transnordestina Logística, empresa que é controlada pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Passos diz que o governo reconhece o avanço das obras desde a contratação da Odebrecht, no fim de 2009. Mais de 10 mil pessoas estão trabalhando nos canteiros, há mais de 100 mil toneladas de trilhos já armazenadas para instalação na ferrovia.