Veloce.Net
Português
English
Español
Press releases

Veloce reduz em 19% suas emissões de gás carbônico

FROTA E CIA / ONLINE

Carretas maiores,
veículos mais novos, combustível econômico e redução das distâncias percorridas
foram alguns dos fatores de mudança

A Veloce Logística reduziu em quase
19% a intensidade de poluentes lançados na atmosfera em suas operações em 2011,
segundo o Registro Público de Emissões do Programa Brasileiro GHG Protocol.
Embora o volume transportado e a quilometragem percorrida pela empresa tenham
aumentado 32,7% entre 2010 e 2011, suas emissões de gás carbônico cresceram
apenas 8%, de 52,5 mil toneladas para 56,5 mil toneladas. “Estamos mostrando que
é possível transportar mais poluindo menos”, diz Paulo Roberto Guedes,
diretor-presidente da Veloce.

O anúncio anual do Registro Público de
Emissões do Programa Brasileiro GHG Protocol aconteceu no dia 4 de setembro, no
Rio de Janeiro. Um grupo de 93 empresas brasileiras registrou neste ano os
inventários de suas emissões de 2011, sendo apenas três de logística, entre elas
a Veloce. O GHG Protocol é a metodologia mais utilizada internacionalmente para
medir emissões de gases de efeito estufa.

Entre os fatores que
contribuíram para a melhoria no índice de sustentabilidade da Veloce estão: a
ampliação de novas carretas, de 14,6 metros de comprimento para 15,4 metros,
aumentando o volume transportado por quilômetro rodado; e a redução da idade
média da frota de caminhões de operações nacionais, de 11,3 anos em 2010 para
9,1 anos em 2011 (e já em 8,3 anos em 2012) e de 3,8 anos para 3,2 anos no
transporte internacional, entre 2010 e 2011.

“Apesar de sua dimensão
continental, o Brasil conta com uma matriz de transportes majoritariamente
rodoviária. E, segundo o Ministério do Meio Ambiente, os caminhões respondem,
entre todos os veículos, por 34% das emissões de CO2 no Brasil. Este é o modal
que apresenta a menor capacidade de carga e o maior consumo energético por
quilômetro em relação ao ferroviário, hidroviário ou marítimo. Entretanto, como
estes ainda não contam com estruturas abrangentes ou serviços regulares, é
imprescindível desenvolver soluções que reduzam os impactos ambientais do
transporte rodoviário”, explica Paulo Guedes.

A Veloce Logística é líder
em viagens rodoviárias de carga entre Brasil e Argentina. Suas carretas são as
que mais cruzam a Ponte Internacional de Integração, que liga as cidades de São
Borja (Rio Grande do Sul) e São Tomé (Argentina). “Os operadores logísticos
precisam estar alinhados aos seus clientes, ao governo e à sociedade na busca de
soluções mais concretas para reduzir os índices poluição. Por isso, criamos o
nosso Sistema de Gestão da Sustentabilidade (SGS), com uma série de medidas
efetivas”, relata o presidente da empresa.

As iniciativas do SGS da
Veloce demandaram um investimento total de R$ 15 milhões, o equivalente a 8% do
seu faturamento em 2011. E o escopo das ações também envolveu: implantação de
sistemas de roteirização de viagens em distâncias menores e com menos consumo de
combustível; workshops e treinamentos de conscientização junto às
transportadoras terceirizadas e motoristas agregados para adotarem medidas de
redução de poluentes, como condução econômica, manutenção e renovação da frota;
criação do Clube de Oportunidades, que promove compras coletivas de caminhões
novos e implementos rodoviários; premiação dos melhores fornecedores da empresa,
tendo a sustentabilidade como um dos critérios (Prêmio Destaq Veloce);
instalação de posto de combustível, oferecendo diesel com menos poluente, 3%
mais econômico e com preços diferenciados; coleta de água de chuva e
reutilização (após tratamento) na lavagem de carretas – o que reduziu em 77% o
consumo de água tratada (em média, de 600 litros para 140 litros para cada
carreta).

A Veloce ainda reduziu em 44% a distância percorrida por seus
executivos em viagens de negócios (de 791 mil km em 2010 para 436 mil km em
2011). E investiu no reaproveitamento de embalagens, utilização de materiais
recicláveis, coleta seletiva de resíduos e em adequações de processos para obter
as certificações de qualidade e ambiental ISO 9001 e ISO
14001.