Veloce.Net
Português
English
Español
Press releases

Celulares e GPS aprimoram a gestão das grandes frotas

Valor Econômico - Empresas - 11/12/2014

A qualidade e a produtividade de uma operação logística se devem, em grande parte, à eficiência do modelo de gerenciamento da frota. Quanto mais estruturada, mais competitiva a empresa se torna frente ao mercado de distribuição. Para acompanhar todas as etapas do processo a Flash Courier, empresa que tem como foco a entrega de pequenas encomendas e que movimenta 1 milhão de produtos por mês, desenvolveu um sistema que rastreia o entregador, via celular. “É possível ter informações de horário e, por meio da digitalização do documento, obter o comprovante assinado pelo cliente e essa informação fica disponível on-line para consulta. Pelo celular, o entregador registra quem recebeu ou se está ausente. Se a entrega não foi feita, registra o motivo. Essas informações ficam disponíveis para o cliente no exato segundo em que é feita a entrega”, explica Guilherme Juliani, diretor da Flash Courier.
Tecnologias de gerenciamento de transportes auxiliam não só a localização, rastreamento e o tratamento da carga, mas também fazem a roteirização, indicam tempo e custo do quilômetro rodado. “Usamos rastreadores nos caminhões que identificam o local exato dos veículos em um mapa com longitude e latitude associado ao agendamento de entrega”, explica Marcelo Cesar Gonçalves, diretor de operações da Veloce Logística.
O sistema fica na cabine do motorista que vai digitando códigos que alimentam um banco de dados e também vai recebendo comandos para orientar sua entrega. Os clientes podem acompanhar, via internet, o que estava programado e o que foi realizado, com atualização quase simultânea.
Um GPS instalado no caminhão faz o rastreamento da frota de 300 veículos e um sistema de roteirização aponta a rota mais eficiente com menos quilometragem, levando em consideração áreas de circulação. O acompanhamento da rota é realizado por smartphone ou rastreamento a partir de informações sobre o custo, volume da carga e embalagem, com a indicação de como empilhá-la no caminhão, explica Gonçalves. Entre outros clientes, a empresa atende grandes montadoras de automóveis para o abastecimento de peças. “Planejamos equipar todos os motoristas com smartphones para melhorar eficiência das entregas”, afirma o executivo.
Para dar segurança ao transporte de cargas perigosas, como derivados de petróleo, a Trelsa Transportes implantou um sistema de rastreamento de frotas via satélite da Sascar. A solução também usa a rede de telecomunicações da telefonia celular para acompanhar e prevenir roubo de cargas aumentando a segurança dos motoristas e da frota, afirma diretor da Trelsa Transportes, Fabrizio Odorici. “Assim que rendiam o motorista os ladrões também inutilizavam o rastreador. Agora o caminhão é também equipado com um localizador que fica geralmente fora da cabine. Se o motorista muda a rota ou a comunicação é cortada, é gerado um alerta para a central de controle que aciona a polícia rodoviária”, explica o Odorici.
O sistema de gestão acompanha o veículo da origem ao destino. Caso a carreta seja desengatada, por exemplo, gera automaticamente um sistema de alerta que bloqueia a operação do caminhão. O veículo também é equipado com um sistema de telemetria que coleta informações da viagem como velocidade mínima e máxima, paradas para descanso, velocidade durante chuva, arrancadas e freadas, gerando ocorrências e pontuação. “No fim do mês um ranking premia os motoristas mais pontuados”, diz Odorici.
O transporte público, origem dos protestos do ano passado em diversas cidades, se beneficia com sistemas de gestão de frotas. Para acompanhar os coletivos que rodam na cidade de Bauru, no interior de São Paulo, a Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano e Rural da cidade implantou um sistema de gerenciamento desenvolvido pela Transdata que monitora 238 ônibus que transportam 100 mil passageiros diariamente e fazem 4 mil viagens por dia.
Um centro de controle acompanha, em tempo real, a trajetória dos ônibus e a execução das viagens. É feita a análise do tempo, trânsito, lentidão, probabilidade de interdição da via e quebra de veículo. Essas informações vão para a Emdurb tomar providências cabíveis. “Uma pesquisa da empresa mostrou que apenas 10% das pessoas na cidade vão para o ponto de ônibus sem informação sobre os horários e 70% já se informam pela internet”, destaca João Felipe Lança, gerente de transporte coletivo da Emdurb.

 

Frota da Veloce Logística: GPS faz o rastreamento de 300 veículos

 

Valor Econômico